PAULO! UM APÓSTOLO DESQUALIFICADO PARA O APOSTOLADO MODERNO!


Por Fabio Campos

‹‹Sede meus imitadores, como também eu de Cristo›› (1Co 11.1 – ACF)

‹‹Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam›› (Fp 3.17 – ACF)

‹‹O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso fazei; e o Deus de paz será convosco›› (Fp 4.9 – ACF) Apóstolo Paulo







Texto base: ‹‹Porque penso que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos›› (2Co 11.5 –ACF)

Sem sombras de dúvidas, o Apóstolo Paulo foi de fundamental importância para a sistematização da teologia cristã. Entretanto, nos últimos dias, aquilo que em sua carta está escrito, “seja meus imitadores porque eu sou de Cristo”, de fato, se perdeu e deixou de ser referência para os cristãos e para alguns líderes, especialmente para aqueles que se intitulam “apóstolos” de Cristo.

Publicamente, seja na TV, no rádio, ou no culto público, ainda não ouvi de nenhum apóstolo, que o mesmo, não teve sua petição atendida depois de três orações consecutivas. Eles falam de suas visões e revelações dadas no terceiro céu! Confirmam seu ministério ao expor suas visões e fundamentam a “doutrina” da igreja naquilo que foi lhe revelado. Diferente de Paulo – quando ele diz acerca da visão no terceiro céu, sua figura de linguagem para eliminar uma possível soberba do seu coração, o coloca em posição de um cristão que diminuiu para que Cristo crescesse:

‹‹Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu. E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe)›› (2Co 12.2-3 – ACF)

Somente após quatorze anos Paulo revelou tal visão. E não somente isso, além de confessar não ter tido sua oração respondida por três vezes, também disse que havia um “mensageiro de satanás” para lhe dar bofetadas; dessa forma seu ego não foi alimentado. Em temor, Paulo sabia que sua visão era real e que, as coisas vistas, jamais poderiam ser contadas para ratificar o seu ministério. Ao contrário de muitos hoje – nunca viram nada, dizem ter ido ao céu e também ao inferno, e voltam contando tudo. Paulo não seria bem quisto em uma reunião com estes apóstolos - diante da visão, o que lhe restou dizer, foi:

‹‹E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte›› (2Co 12.9-10 – ACF).  Já pensou um testemunho desses nestas igrejas que gosta mais das bênçãos materiais do que de Deus?
Diante do arrazoado acima, estudaremos algumas das características do Apóstolo Paulo e dos apóstolos contemporâneos.

Hoje ninguém quer ser servo e ter por título pastor! Basta abrir uma igreja no fundo de casa e logo aquele que tem mais carisma é denominado apóstolo. Estes não foram chamados por Deus, mas auto se intitulam apóstolos de Cristo (2Co 11.13). Para efeito de esclarecimento, a grande maioria possui algumas dessas características, mas como toda generalização é “burra”, cabe a cada um, pelos frutos, demonstrar que tal personalidade não lhe é cabível nesta lista.

CARACTERÍSTICAS DOS APÓSTOLOS MODERNOS:

· Semi-deus ou quarta pessoa da trindade.
· Vive uma vida nababesca; são ricos por serem custodiados por intermédio da lã das ovelhas.
· Poderosos aos olhos do seu rebanho; da mesma forma, precisam andar com três ou quatro seguranças fortemente armados.
· São centralizadores; uma única palavra e todos têm que obedecer cegamente sem poder questionar, pois do contrário, estarão em rebelião contra o profeta de Deus e não conseguirão prosperar.
· Não servem, gostam de ser servidos.
· Querem estar acima dos demais e ver sua denominação em destaque na mídia (briga pública).
· Nunca sofreram pelo o Evangelho e como um bom soldado de Cristo; sofrem sim por fazerem o mal, e as perseguições por eles ditas são simplesmente oriunda do seu mau comportamento.

· Não têm formação teológica e não sabem manusear bem a Palavra da Verdade; fato é que suas interpretações estão carregadas de heresias e mentiras que levam os homens a perdição.
· São vingativos; não demonstram o fruto do Espírito, antes, quando contrariados, logo tomam para si o título de “ungido do Senhor”, e sentenciam aqueles que discordaram em algum ponto de vista com o famoso discurso apelão: “ai daquele que tocar no ungido do Senhor”.

· São inacessíveis; dificilmente você conseguirá tomar um café com eles a não ser se for do interesse deles.
· Pensam que são insubstituíveis; com o espírito messiânico, de salvador do mundo, dizem que a obra de Deus será paralisada caso não estejam presente ou na administração dos negócios da igreja local.
· Gosta do culto a personalidade; falam de si mesmo como o ‘cara diferente’ e aquele que possui mais experiência com Deus do que os demais.

Conforme listada as principais características de um apóstolo moderno, vemos que, a vida de Paulo e sua personalidade depõem contra aquilo no que de fato deveria ser observado e seguido como exemplo. Paulo, primeiro se diz “servo de Cristo” (Rm 1.1), depois “o menos importante dentre os apóstolos” por ter perseguido a igreja no tempo de fariseu (1Co 15.9), e por último, quase no fim de seu ministério, diz ser o “principal dos pecadores” (1Tm 1.15). Por toda sua caminhada cristã, Paulo passou por privações. Quando me refiro a privações, são as necessidades mais básicas do ser humano em questão fisiológica como, fome, sede, nudez, insônia. Nem moradia certa tinha (1Co 4.11). Vejamos as características que o desqualificariam para o apostolado moderno.

CARACTERÍSTICAS DO APÓSTOLO PAULO:

· Sempre fiel as Escrituras mesmo tendo a oportunidade de usá-la para melhorar sua situação terrena (1Co 9.1-18).
· Sabia que não era um “deus” e como homem pecador, no querer fazer o bem e muitas das vezes não conseguir, examinava a si mesmo sabendo que a qualquer momento poderia ser desqualificado e cair em tentação (1Co 9.27; 10.12).
· Abominava o culto a personalidade; não pregava a si mesmo, mas a Cristo, e este, crucificado (2Co 4.5; 1Co 3.4-9).
· Nunca teve seu nome envolvido em escândalos! Todas as acusações contra sua pessoa se provaram fraudulentas e mentirosas mediante o seu correto proceder. Portanto, sofria e era perseguido por fazer o bem, e não por fazer o mal (2Co 6.3).

· Alguns apóstolos de hoje são ricos porque empobreceram a muitos; Paulo era pobre porque enriqueceu a muitos (2Co 6.10).
· Nunca teve problema para confessar e escrever acerca de suas fraquezas; confessou estar abatido e aflito, com temores por dentro e por fora, o que para os “super-poderosos” é um sinal de fraqueza (2Co 7.5-6).
· Nunca se vangloriou do seu ministério e das suas obras, pois sabia que sua capacidade vinha de Deus (2Co 10.18).
· Anunciou o Evangelho de graça (2 Co 11.7-8) - trabalhou para não depender do rebanho financeiramente (2Co 11.9-10) - não tratava as pessoas como mercadoria, mas sim como filhos amados na fé (2Co 11.11).

· Tinha por orgulho o seu trabalho secular para não depender da igreja (mesmo com direitos firmados pela Palavra) no seu sustento (1 Ts 2.9; 2 Ts 3.8; 2 Co 11.9).
· Nunca repreendeu o espírito da miséria nem da pobreza, pois podia todas as coisas, quer abundância quer escassez, Naquele que o fortalecia (Fp 4.10-18).
· Nunca difamou Pedro e os demais apóstolos para ter um destaque ministerial; antes, em humildade, considerava a si mesmo inferior a todos (Fp 2.3).

· Falou mais de alegria quando estava preso do que quando livre; a alegria dos apóstolos de hoje é estar no conforto de suas mansões com seus carros importados na garagem – fora os jatinhos milionários estacionados nos aeroportos (Fp 3.1).
· Tinha formação teológica e sabia manusear bem a Palavra de Deus em fidelidade a iluminação e inspiração do Espírito Santo
(2Co 11.6).

· Sabia e assim agia deliberadamente no propósito para o qual Deus levantou os apóstolos: serem servos, estarem nos últimos lugares, serem condenados à morte por causa do Evangelho do Senhor Jesus – por tanta crueldade de Roma, os apóstolos era os personagens principais nos espetáculos de horror, e por isso eram considerados a escória da sociedade e o lixo dos homens (1Co 4.9).

O ORGULHO QUE PAULO APRESENTAVA O SEU CURRÍCULO E AQUILO QUE ELE TINHA POR BENÇÃO E PROSPERIDADE

‹‹São ministros de Cristo? (falo como fora de mim) eu ainda mais: em trabalhos, muito mais; em açoites, mais do que eles; em prisões, muito mais; em perigo de morte, muitas vezes. Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um. Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; Em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos;

Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez. Além das coisas exteriores, me oprime cada dia o cuidado de todas as igrejas. Quem enfraquece, que eu também não enfraqueça? Quem se escandaliza, que eu me não abrase?›› (2Co 11.23-29)

Paulo finaliza este texto naquilo que jamais os “super-apóstolos” se orgulhariam:

‹‹Se convém gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza›› (2Co 11.30)
Amados, tem muita gente séria trabalhando em prol do Reino de Deus. Mas diante do exposto confrontando nossa realidade, será que não há nada de errado? Por reverência aos apóstolos de Cristo e respeito aos pais da igreja (nenhum tomou o título de apóstolo para si) sou contrariado naquilo que acredito - o título de apóstolo nos dias atuais. O significado de apóstolo é “enviado”; muitos plantam igrejas e por isso são assim chamados. Agora, falar que o apóstolo de hoje em dia tem a mesma autoridade e função da do início da Igreja Cristã, de fato, é não conhecer a história da Igreja e nem a si mesmo. Pessoas com esse pensamento são carentes e ainda não entenderam sua filiação por meio de Jesus Cristo. Não tem comparação e é uma afronta contra a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo!

. Por fim, alguns estudiosos dizem que se Paulo não se tornasse cristão, ele ultrapassaria em sabedoria e popularidade grandes filósofos por nós conhecidos. Mas Paulo pela causa de Cristo terminou seu ministério em uma cadeia sem as mínimas condições necessárias para abrigar um ser humano. Entretanto, ele sabia em quem tinha crido, e mais do que bens adquiridos ou popularidade, seu tesouro era sua fé, a qual foi guardada pelo justo juiz, o qual lhe dará a coroa da justiça. Ele foi abandonado pelos homens, mas assistido por Deus em todas as suas dificuldades, e os seus sofrimentos, privações e aflições, aquilo que os apóstolos atuais diriam ser maldições, ele declarou em alto e bom tom o contrário:

‹‹Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda›› (2Tm 4.7-8 – ACF)

Paulo poderia ser um diácono, um simples pastor, um líder de pequeno grupo. Mas apóstolo, mediante os pré-requisitos exigidos nos dias atuais, de fato, suas qualificações estariam distante das exigências contemporâneas.

SOLI DEO GLORIA!

Por Augustus Nicodemus Lopes

A VIDA DIÁRIA DE UM APÓSTOLO DE VERDADE

As cartas que Paulo escreveu à igreja de Corinto são as de maior cunho pessoal e que mais revelam como era a vida daquele que é considerado o maior apóstolo do Cristianismo, data vênia Pedro e os papistas.

Como era a vida diária de Paulo, um apóstolo de Cristo?

- evitava batizar muita gente, para que não se formasse um fã clube em torno do seu nome (1Co 1.14-17);

- evitava a ostentação de linguagem na pregação pelo mesmo motivo e pregava somente a Cristo e este crucificado (1Co 2.1-5).

- a razão é que ele queria evitar que pessoas se agregassem à igreja impressionadas por seus talentos e carismas e não pela fé em Jesus Cristo (1Co 2.5).

- ficava lembrando seu rebanho de que ele era um mero servo, junto com outros, e que seu sucesso em ganhar pessoas para Cristo se devia tão somente à graça de Deus e não a méritos próprios (1Co 3.5-9).

- insistia que Deus requeria dos apóstolos somente que fossem fiéis, e não que fossem bem sucedidos, diante da tentação de muitos de compararem os ministérios dele, de Apolo e de Pedro (1Co 4.1-3).

- era constantemente considerado – inclusive por pessoas que faziam parte das próprias igrejas que havia fundado – como condenado a morte, espetáculo ao mundo e aos anjos, louco, fraco e desprezível (1Co 4.9-10).

- em diversas ocasiões passou fome, sede e nudez; foi esbofeteado e não tinha moradia certa ou casa própria (1Co 4.11)

- trabalhava até cansar com as próprias mãos para garantir o seu sustento (1Co 4.12).

- era perseguido, injuriado, caluniado e considerado o lixo do mundo, mas não respondia nem revidava a nenhuma destas provocações (1Co 4.13).

- muitos achavam que ele não tinha o direito de receber sustento da igreja e nem de se fazer acompanhar de uma esposa nos trabalhos missionários intensos e cansativos. Por isto, ele trabalhava para se sustentar e se recusava a receber salário, ofertas, dízimos e contribuições das igrejas, quando fazer isto pudesse lançar dúvida sobre suas intenções (1Co 9.1-12).

- pregava e evangelizava nas igrejas de graça, sem nada pedir e nada receber, para não colocar empecilho ao Evangelho de Cristo (1Co 9.15-18), pois seu alvo era ganhar o maior número possível de pessoas.

- preocupava-se em ser irrepreensível, em controlar-se e manter suas paixões e desejos debaixo de controle, para poder ter autoridade para pregar (1Co 9.25-27).

- enfrentou a morte várias vezes no trabalho missionário, e em algumas delas considerou que sua hora de morrer tinha finalmente chegado (2Co 1.8-9).

- passava por constantes sofrimentos e angústias de coração por causa das igrejas e dos crentes a quem amava e por quem se preocupava individualmente (2Co 2.4).

- perdoava e pedia o perdão dos outros para aqueles que o haviam ofendido e prejudicado o seu trabalho (2Co 2.7-8).

- quando era necessário mostrar as suas credenciais de apóstolo, apontava para as multidões convertidas pelo Evangelho da cruz que pregava com simplicidade e no poder do Espírito (2Co 3.1-4).

- tomava o maior cuidado para não adulterar a mensagem do Evangelho, não andava com astúcia e nem procurava enganar seus ouvintes para tirar proveito financeiro deles (2Co 4.1-2).

- vivia como um condenado à morte, levando em seu corpo o morrer de Jesus na forma de privações, perseguições, sofrimentos, calúnias e injúrias, como meio da vida de Cristo se manifestar através dele (2Co 4.7-15).

- sua esperança e expectativa não estavam aqui, nas riquezas, propriedades e bens, mas o tempo todo ele faz menção da glória celestial, das coisas invisíveis e eternas que ele aguardava como recompensa de seus sofrimentos e trabalho (2Co 4.16-18).

- quando precisava se recomendar aos ouvintes como ministro de Cristo incluía em seu currículo as muitas aflições, angústias, privações, açoites, prisões, tumultos, vigílias e jejuns no trabalho do Senhor (2Co 6.4-10).

- ainda nesta lista incluía os 39 açoites recebidos dos judeus pelo menos 5 vezes, ser fustigado com varas 3 vezes, 3 naufrágios, apedrejamentos, perigos de salteadores e assassinos, além do peso constante da responsabilidade das igrejas que pesava sobre seus ombros (2Co 11.29). 

- passou privações e teve de trabalhar arduamente para não ser pesado às igrejas onde receber oferta seria dar motivo para a acusação de mercenário (2Co 11.7-9).

- apresentava como motivo de gloria o fato de que uma vez teve que fugir de uma cidade escondido em um cesto e descido pelos irmãos pela muralha, para poder escapar com vida (2Co 11.30-33).

- lutava diariamente com um doloroso espinho na carne, que o abatia e fazia sofrer e clamar a Deus, mas sem resposta a não ser a provisão da graça para poder suportá-lo (2Co 12.7-10).

Muitos se consideram sucessores dos apóstolos, aqui e em Roma. É só comparar...

‹‹Tu, porém, tens seguido a minha doutrina, modo de viver, intenção, fé, longanimidade, amor, paciência,
Perseguições e aflições tais quais me aconteceram em Antioquia, em Icônio, e em Listra; quantas perseguições sofri, e o Senhor de todas me livrou›› (2Tm 3.10-11 – ACF) Apóstolo Paulo





Nenhum comentário: